Quinta-feira
19 de Setembro de 2019 - 
BEM VINDOS A PASCOTO ADVOGADOS ASSOCIADOS.... QUALIDADE, CONFIABILIDADE, RESPEITO E SEGURANÇA NAQUILO QUE SE FAZ!!!
Pascoto Advogados Associados... segurança, qualidade e respeito a você sempre!

Controle de Processos

Insira seu usuário e senha para acesso ao software jurídico

Notícias

Newsletter

Insira seu email aqui para receber noticias dos tribunais

Cotação da Bolsa de Valores

Bovespa 0,92% . . . .
Dow Jone ... % . . . .
Espanha 0% . . . .
França 0,43% . . . .
Japão 1,86% . . . .
NASDAQ 0,02% . . . .
S&P 500 0,31% . . . .

Cotação Monetária

Moeda Compra Venda
DOLAR 4,10 4,10
EURO 4,53 4,53
IENE 0,04 0,04

Previsão do tempo

Hoje - Marília, SP

Máx
40ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Sexta-feira - Marília, SP

Máx
40ºC
Min
26ºC
Parcialmente Nublado

Sábado - Marília, SP

Máx
34ºC
Min
20ºC
Parcialmente Nublado

Domingo - Marília, SP

Máx
34ºC
Min
19ºC
Parcialmente Nublado

TJPR não reconhece nulidade alegada por ex-diretor da Alep no caso conhecido como “Diários Secretos”

TJPR não reconhece nulidade alegada por ex-diretor da Alep no caso conhecido como “Diários Secretos” Defesa sustentava que a busca e apreensão de documentos realizada no prédio da Assembleia Legislativa foi ilegal, o que contaminaria as provas obtidas Qui, 22 Ago 2019 19:10:03 -0300 Nesta quinta-feira (22/8), a 2ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Paraná (TJPR) analisou o recurso apresentado pelo ex-diretor da Assembleia Legislativa do Estado (Alep) - réu no caso conhecido como Diários Secretos - contra a sentença que o condenou a mais de 23 anos de reclusão. A defesa alegava nulidade do processo por ofensa ao princípio da separação dos Poderes. O advogado do ex-diretor sustentou que as provas utilizadas no feito foram obtidas por uma busca e apreensão de documentos ordenada por magistrado incompetente. Caso a nulidade fosse reconhecida, uma nova sentença deveria ser proferida com base em outros elementos de prova, já que o material obtido anteriormente seria considerado ilícito. Por maioria de votos, após intensa argumentação dos magistrados, a 2ª Câmara Criminal rejeitou as alegações da defesa. O Desembargador Relator afirmou que não houve violação ao princípio da separação dos poderes na realização da busca e apreensão ocorrida na sede do Poder Legislativo estadual, pois a ação não afetou a liberdade de funcionamento da Alep. Disse o Relator em seu voto:  “No caso dos autos, está evidente que se trata de busca e apreensão em setor administrativo do prédio anexo à casa de leis, legalmente autorizada pela magistrada de 1º grau com vistas a angariar provas e elucidar crimes praticados por servidores, sem a mínima aproximação dos gabinetes dos deputados estaduais. Nenhum dos investigados tinha direito a foro por prerrogativa de função. O prédio não goza de prerrogativa de foro e nenhuma sala ou gabinete de parlamentar foi objeto de busca. O princípio da separação dos poderes não pode ser invocado com o objetivo de isentar da apreciação do Poder Judiciário eventuais práticas criminosas perpetradas por integrantes de outros poderes do Estado. A diligência foi legal e autorizada por autoridade competente para angariar provas e elucidar crimes praticados por servidores do Legislativo. Em momento algum se atuou de modo a afetar a atividade de parlamentar que detém prerrogativa de foro pelo exercício de função pública”. Após a apreciação a respeito da alegada nulidade, os Desembargadores, por unanimidade, reconheceram a extinção da punibilidade do réu em relação ao crime de lavagem de dinheiro. A decisão foi baseada no fato de que se passaram seis anos entre o recebimento da denúncia e a publicação da sentença condenatória. Dessa forma, a pena final aplicada ao ex-diretor da Alep foi definida em 12 anos, 8 meses e 10 dias de reclusão pelo crime de peculato praticado por funcionário público. A sanção foi readequada, também, em razão do afastamento do acréscimo relacionado aos motivos do crime, que havia sido aplicado na sentença.
22/08/2019 (00:00)

Contate-nos

PASCOTO ADVOGADOS ASSOCIADOS

RUA COMENDADOR FRAGATA  150
-  FRAGATA
 -  MARILIA / SP
-  CEP: 17501-350
+55 (14) 34324925
Visitas no site:  110206
© 2019 Todos os direitos reservados - Certificado e desenvolvido pelo PROMAD - Programa Nacional de Modernização da Advocacia
Pressione as teclas CTRL + D para adicionar aos favoritos.